JUDICIÁRIO

Membros do Poder Judiciário, do MP e da AGU conhecem unidades da FAB

O grupo visitou o CINDACTA I e o CENIPA
Publicado: 06/05/2015 14:45
Imprimir
Fonte: ASPAER

A comitiva visitou a sala de controle do tráfego aéreo  Soldado Walisson/ ASPAER

Uma comitiva formada por membros do Poder Judiciário, do Ministério Público Federal e da Advocacia Geral da União conheceu nessa terça-feira (05/05) organizações militares da Força Aérea Brasileira (FAB) sediadas em Brasília (DF). O objetivo foi acompanhar o trabalho realizado pela FAB na defesa da soberania nacional e na segurança do tráfego aéreo no País.

O grupo, composto por Subprocuradores-Gerais da República, Juízes Federais, Advogados da União, Assessores Jurídicos e Oficiais das Forças Armadas, visitou o Primeiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA I) e o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA).

No CINDACTA I, os convidados viram de perto como funciona o controle do tráfego aéreo e a defesa do espaço aéreo brasileiro. O Comandante, Brigadeiro do Ar Leonidas de Araújo Medeiros Júnior, falou sobre as responsabilidades do centro, destacando aspectos de segurança das telecomunicações aeronáuticas e o monitoramento militar do tráfego de aeronaves suspeitas.

Já durante a visita ao CENIPA, o Chefe, Brigadeiro do Ar Dilton José Schuck, apresentou ao grupo a filosofia de trabalho do Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SIPAER) e as peculiaridades relacionadas às demandas do Poder Judiciário. A comitiva conheceu, ainda, o sítio de destroços e o laboratório de cobertura e análise de dados, responsável por recuperar o conteúdo dos gravadores de voo das aeronaves acidentadas.

O encontro foi organizado pela Assessoria Parlamentar do Comandante da Aeronáutica (ASPAER). De acordo com o Chefe da ASPAER, Brigadeiro Rui Chagas Mesquita, oportunidades como essa são fundamentais para que os magistrados, procuradores e advogados públicos conheçam o trabalho da Aeronáutica. “Para um Juiz Federal, por exemplo, a exata compreensão das medidas adotadas pela FAB no cumprimento da missão institucional confere suporte e maior tranquilidade no momento das decisões”, afirmou o oficial-general.