SEGURANÇA DE VOO

Tripulantes da FAB passam por treinamento de gerenciamento de recursos de cabine

Publicado: 25/08/2014 11:30
Imprimir
Fonte: SERIPA V

Participantes da capacitação  SERIPA VVinte militares da Força Aérea Brasileira sediados em Curitiba (PR) passaram no período de 19 a 21 de agosto de uma capacitação de Gerenciamento de Recursos de Cabine (CRM, na sigla inglesa) ministrada por uma equipe do Quinto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA V). Houve atividades práticas relacionadas à tomada de decisões em ambiente de cabine epalestras sobre comunicação, liderança, consciência situacional e processo decisório.

O Chefe do SERIPA V, Tenente-Coronel Carlos Emmanuel de Queiroz Barboza, explicou que o CRM visa reduzir o erro humano. "No caso de uma condição meteorológica adversa é o julgamento do piloto que analisa a situação e faz a escolha da melhor alternativa de voo, por exemplo. Todo esse processo deve estar permeado pela comunicação. O treinamento e a consciência da importância da mensagem é que vai estimular a confiança para opiniões entre tripulantes", disse.

Capacitação em CRM  SERIPA V

A psicóloga, investigadora de fatores humanos e doutoranda em psicologia para aviação, Maria da Conceição Corrêa Pereira, disse que o CRM é um treinamento específico do fator humano e visa elevar o desempenho técnico do profissional. "É necessário maior consciência dos pilotos em relação aos benefícios do CRM como ferramenta de melhoria do desempenho e da qualidade do serviço, incluindo a formulação de uma cultura de segurança de voo," esclareceu.

Conceição destaca que a eficácia do CRM está na prática dos conceitos teóricos estabelecidos no chamado Treinamento Orientado da Linha de Voo (LOFT - na sigla em inglês), que pode ocorrer em simulador ou sala de reuniões. São desenvolvidas situações de emergência que exigem decisões de cabine, permitindo que a tripulação análise o próprio desempenho.

O CRM engloba todos os recursos disponíveis para aumentar a segurança e a eficiência da atividade aérea. As falhas de profissionais revelam situações nem sempre visíveis, como estresse, elevada carga de trabalho, desatenção, complacência ou distração. O primeiro passo é admitir a própria vulnerabilidade para assimilar e praticar seus conceitos.

O primeiro programa de CRM foi criado em 1981, pela United Airlines, após uma recomendação da Organização Internacional da Aviação Civil (OACI). Naquela época, após graves acidentes, as grandes empresas concluíram que mais do que ser profissional, a tripulação precisava ser uma equipe. Na década de 90, o CRM passou a ser aplicado na aviação mundial.