SEGURANÇA DE VOO

Centro de Investigação e Prevenção da FAB discute segurança operacional

O CENIPA e mais 50 entidades participaram da 61ª reunião de segurança operacional da aviação
Publicado: 09/05/2014 14:34
Imprimir
Fonte: CENIPA

Na última terça-feira (06/05), o Centro de InvestComitê reúne 47 entidades-membros  2S Flávio Santosigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) participou da 61ª reunião de segurança operacional da aviação, em Brasília. O evento foi organizado pelo Comitê Nacional de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CNPAA). Mais de 51 representantes da aviação civil e militar participaram da reunião.

 O Brigadeiro do Ar Dilton José Schuck, presidente do comitê e Chefe do CENIPA destacou a importância do evento no contexto da aviação brasileira por congregar todos os segmentos no debate de questões relevantes para a segurança de voo. “É o maior exemplo de aplicação de um dos princípios básicos do SIPAER (Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), que diz que segurança de voo não se faz sozinha, é necessária a participação de todos”, afirmou.

Durante a reunião, foi realizada a votação para a inclusão de 47 novos membros no comitê. Entre eles, o escritório da International Air Transport Association (IATA), com sede em São Paulo; os aeroclubes Eldorado do Sul e Paraná, ambos da Região Sul, e Helivia Aerotáxi. O diretor de segurança operacional da IATA, José Alexandre Fregnani, afirmou que o interesse em participar do comitê se deve ao trabalho de prevenção desenvolvido pela instituição no Brasil com a aviação regular. “Queremos participar, porque podemos contribuir em várias áreas da aviação,” afirmou Fragnani. Ele informou ainda que a IATA, cujo escritório principal para as Américas fica em Miami, nos Estados Unidos, congrega 240 empresas aéreas associadas, o que representa 84% do tráfego aéreo mundial.

Abrangência das discussões
Foram apresentados os trabalhos desenvolvidos pela Comissão Nacional de Fadiga Humana, aprovada na última reunião da plenária em novembro d
e 2013. O coordenador Comandante Paulo Licate afirmou que a finalidade é estabelecer parâmetros para a metodologia de investigação do fator fadiga no acidente, envolvido em cerca de 30% dos acidentes em todas as modalidades de transporte. Foram destaques o levantamento de dados estatísticos e os investimentos realizados até o momento.

O objetivo do fórum é discutir assuntos co
mo gerenciamento do risco aviário e fauna, ocorrências de colisões com aves pela Azul Linhas Aéreas; alémA cada ano novas entidades membros são incluídas  2S Flávio Santos da interferência de tráfego entre aeronaves de instrução que operam na região de Maricá, no Rio de Janeiro, a elaboração de normas que definam a participação da sociedade na aviação civil, a prestação do serviço SAR, plano de contingências da TAM Linhas Aéreas e a nova estrutura de segurança de voo da Petrobras.

O CNPAA conta com a presença de representantes que atuam na segurança operacional da aviação como as empresas aéreas, ANAC, Aeronáutica, Marinha, Exército, Associação Brasileira de Aviação Geral (ABAG), aeroclubes, fabricantes de aeronaves e outros segmentos da aviação brasileira.