OPERACIONAL

Esquadrão Pantera realiza treinamento para aperfeiçoar técnicas

Publicado: 04/04/2014 11:38
Imprimir
Fonte: 5°/8° GAV

Durante o mês de março, o Esquadrão Pantera (5Durante o mês de março, os militares realizaram treinamento no mar  5°/8° GAV°/8° GAV) de Santa Maria (RS) realizou treinamento de resgates em alto mar. O objetivo é aperfeiçoar as técnicas utilizadas nesse tipo de missão e manter a operacionalidade do Esquadrão. Com os exercícios, os militares que voam os helicópteros H-60 Black Hawk da Força Aérea Brasileira (FAB), são capazes de fazer resgates de pessoas em alto mar, em áreas alagadas e em embarcações à deriva.

Em um dos exercícios, realizado em conjunto com a Marinha do Brasil, a tripulação treinou o resgate em embarcações, conhecido como modalidade de convés. Por meio da técnica de içamento (kapoff) é possível infiltrar profissionais médicos para o apoio à emergência a bordo e também resgatar vítimas em embarcações avariadas. O treinamento é feito sem a figura do oficial de lançamento e pouso – militar da marinha que faz o papel de balizador do helicóptero no convés do navio – o que dá mais independência e agilidade para a tripulação da aeronave caso haja a ausência desse oficial no resgate.

Também em março, na Base Aérea de Florianópolis (BAFL), os militares do 5°/8° GAV realizaram durante o exercício “Helicóptero TA” o resgate sobre regiões alagadas. Neste procedimento o helicóptero se aproxima da pessoa a ser resgatada, o homem de resgate desce com o auxílio do guincho da aeronave, conecta-se ao resgatado e ambos são içados. Dependendo do estado de saúde da vítima é possível o resgate com maca para imobilização.

Para o Tenente Vinicius Salum, piloto do Esquadrão Pantera, os treinamentos sobre o mar são muito importantes. “Esses exercícios se assemelham muito da situação em que ocorrem os resgates, principalmente em regiões de enchentes, como a do final de 2013, no Espírito Santo. Cidades alagadas pareciam oceanos por isso fazemos este treinamento no mar, para termos competência de operar mesmo nas piores condições", finaliza.