SEGURANÇA DE VOO

Brasil conclui curso de prevenção para militares latino-americanos

Publicado: 04/09/2013 11:11
Imprimir
Fonte: CENIPA

Encerrou-se nesta sexta-feira (30), em Brasília, o curso de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos em Língua Espanhola para militares e civis de países latino-americanos. O curso, que teve a duração de duas semanas, foi promovido pelo CENIPA e contou com a participação de 15 representantes das Forças Aéreas do Equador, Bolívia, Argentina, Panamá e Chile.

O chefe do CENIPA, Brigadeiro do Ar, Luís Roberto do Carmo Lourenço, manifestou a satisfação em ter realizado o primeiro curso em língua espanhola desenvolvido especialmente para os representantes das Forças Aéreas de países amigos. "O CENIPA sempre abrirá espaço para a cooperação no atendimento aos anseios daqueles que buscam os conhecimentos da prevenção de acidentes aeronáuticos" enfatizou o Brigadeiro.

O curso de prevenção em língua espanhola capacita profissionais da aviação e os torna aptos a participarem do Curso de Segurança de Voo, um dos maiores cursos da instituição, que terá início em setembro com a presença de 80 investigadores de vários estados da federação. Embora nem todos os candidatos estrangeiros interessados conseguem participar, em razão do número de vagas, há uma cota de representatividade, no âmbito do Programa de Cooperação entre os países.

"Prevenção sem fronteiras"
O piloto de caça da Força Aérea do Chile, Capitão Ricardo Parra Garcia, reconheceu o nível de preparação dos instrutores demonstrado na transmissão dos conhecimentos . Ele disse ainda que está indicado pelo seu país para voltar ao Brasil em setembro e participar do curso de Segurança de Voo do CENIPA. O representante chileno continuará o intercâmbio com os militares brasileiros no exercício CRUZEX, que acontecerá mais uma vez em Natal (RN) no final do ano.

A maior parte dos alunos foram unanimes em reconhecer a adaptação do curso para a língua espanhola como facilitador para a compreensão das palestras, além de ter superado as expectativas pela sua organização. Na opinião do Major Yessit Steve Andrade, da Força Aérea Boliviana, foram mostradas ferramentas que podem ser implantadas em seu país para melhorar a cultura de segurança de voo."Constituímos um grupo para trabalhar a prevenção sem fronteiras,"afirmou.

"Tudo o que aprendemos aqui, ajudará nossa Força Aérea a criar um plano de prevenção, tendo como modelo o que se faz no Brasil", afirmou o representante da Força Aérea do Panamá, Tenente Javier Jesús Hinestroza Valsin, que elegeu o tema "gestão do risco" como uma das palestras que mais gostou. "Volto muito satisfeito para o meu país com o aprendizado que obtive em segurança de voo", disse.

O representante do Equador no Brasil, Coronel Edwin Luna, enalteceu o esforço do CENIPA em disseminar o conhecimento de segurança da aviação para os latino-americanos. Parabenizo pela edição do curso e também aos participantes que receberam um conhecimento tão essencial para evitar a perda de muitas vidas", afirmou. Piloto da Aviação de Transporte, com sete mil horas de voo, o vice-comodoro da Força Aérea Argentina e chefe do Departamento de Investigação Aérea, Alejandro Garbuglia, elogiou a organização do curso por atingir seus objetivos.

imagens/original/18439/0_300x198_images_stories_dsc_0082.jpg