INSTRUÇÃO

Futuros oficiais visitam unidades da FAB em Anápolis e Manaus

Publicado: 19/08/2013 13:39
Imprimir
Fonte: CIAAR

Simulador IGLAOs 155 tenentes-estagiários, que realizam a adaptação militar no Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (CIAAR), fizeram viagem de instrução à Manaus (AM) e Anápolis (GO), de 12 a 14 de agosto. O objetivo da visita é proporcionar aos futuros oficiais uma visão mais ampla do trabalho realizado pela Força Aérea Brasileira (FAB).

Com o apoio do Comando-Geral de Operações Aéreas (COMGAR) e da Quinta Força Aérea (V FAE), os tenentes-estagiários deslocaram-se (12/8) de Belo Horizonte com destino à Base Aérea de Anápolis (BAAN). Lá conheceram a missão estratégica da organização responsável pela defesa do espaço aéreo e puderam compreender o real significado da missão precípua da FAB: a Defesa da Pátria.

Após assistirem a palestras dos comandantes das unidades aéreas sediadas, os futuros tenentes visitaram as instalações do Primeiro Grupo de Defesa Aérea (1º GDA), que emprega a aeronave de interceptação Mirage F-2000. Também conheceram as aeronaves R-99 e E-99 do Segundo Esquadrão do Sexto Grupo de Aviação (2º/6º GAV), utilizadas em missões de sensoriamento remoto e reconhecimento aéreo em prol do Sistema de Proteção da Amazônia (SIPAM) e da FAB.

Amazônia
Nos dias 13 e 14, os militares estiveram nas unidades do Sétimo Comando Aéreo Regional (VII COMAR), no Quarto Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA IV) e no destacamento da Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA).

Na Base Aérea de Manaus, os tenentes-estagiários conheceram a aeronave de transporte C-105 Amazonas, o caça F-5, o helicóptero Blackhawk, além do sistema de artilharia antiaérea e equipamentos de resgate e sobrevivência na selva.

A tenente-estagiária de serviços jurídicos Larissa Maria Coutinho ressalta a importância de se conhecer o trabalho da FAB em outras regiões do país. “Fiquei impressionada com o trabalho integrado realizado pela FAB e pelo Exército Brasileiro na defesa e proteção da Amazônia e no apoio à população local”, ressalta Larissa.

Para permitir a melhor interação com as aeronaves e equipamentos, a comitiva experimentou o simulador da aeronave C-105 Amazonas, o mesmo utilizado por pilotos do Esquadrão Arara, que combina recursos mecânicos e audiovisuais em uma cabine que reproduz fielmente a sensação de pilotagem da aeronave. Também conheceram o simulador do sistema de defesa antiaérea do Grupo de Artilharia Antiaérea e Autodefesa (GAAAD) usado para treinar o abatimento de aeronaves inimigas que invadem o espaço aéreo local.