SAÚDE

Hospital das Forças Armadas completa 40 anos

Publicado: 30/03/2012 16:58
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea

“O HFA está na vanguarda para o tratamento e o diagnóstico”. Com essas palavras o Ministro da Defesa, Celso Amorim, resumiu a relevância da atuação do Hospital das Forças Armadas. Na manhã de hoje (10/03), ele participou da solenidade militar de 40 anos do HFA. Na ocasião foi promovido o lançamento do selo e do carimbo comemorativos ao Jubileu de Rubi do Hospital. Também foi realizada cerimônia de passagem de direção da unidade.

“Dentro das Forças Armadas, o HFA é o melhor hospital em termos tecnológicos. Temos a maior concentração de meios diagnósticos de Brasília”, afirmou o Brigadeiro Médico José Maria Lins Calheiros, diretor substituído da unidade. Ao passar o cargo ao General de Brigada Médico Túlio Fonseca Chebli, ele ressaltou que a organização atua com tecnologia de ponta e profissionais de excelência.

“A tríade da saúde se embasa na qualidade de recursos humanos, equipamentos médicos e infra-estrutura e na acessibilidade. O paciente precisa ter acesso a esse tipo de serviço e foi pensando nisso que trabalhamos nos últimos dois anos”, lembrou o Brigadeiro Calheiros.

Segundo ele, o HFA também é uma unidade de ponta nas áreas de ensino e pesquisa com parcerias com entidades nacionais e internacionais.

História - Inaugurado no dia 27 de março de 1972, o Hospital possui capacidade diagnóstica e terapêutica avançadas e realiza atendimentos de alta complexidade. Atende em mais de 50 especialidades médicas, farmacêuticas e odontológicas. Também é dotado de amplos recursos médicos assistenciais nas áreas de ambulatório, internação, emergência e pronto-socorro.

Único hospital militar que opera ao mesmo tempo com servidores civis e militares das três Forças Armadas, o HFA passou por melhorias estruturais e na área de recursos humanos nos últimos anos. Em 2009, mais de 1.500 servidores civis foram admitidos por concurso público. A capacidade operativa passou de 224.833 atendimentos por ano, em 2008, para 503.603, em 2011.

Também em 2011, foram inauguradas as novas instalações do Serviço de Medicina Nuclear. A estrutura segue as determinações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN).